Calma, depois do diagnóstico tudo será igual…

Não, não será.

Você não será igual, você não será mais a mesma pessoa, nunca mais. Tudo mudará, você mudou, alguém morreu neste momento e abriu espaço para um outro ser, um ser muito melhor e muito maior. O valor à vida e às pessoas, a sensibilidade, a força, a entrega, a necessidade de gente de verdade, a entrega a Deus por meio de sua mais pura fé – que se revela neste momento inclusive a você –, a vontade de viver, a real percepção da finitude e de que você quer fazer tudo que puder, que quiser e que vier para que o hoje seja realmente vivido e sentido da melhor maneira e se permitir dormir somente depois da apoteose da vida.

Isso mudou, isso você não tinha, por mais que tivesse lido coisas lindas e frases de efeitos, você, verdadeiramente, não tinha. Você tem Deus, tem fé, tem vontade de viver e de seguir em frente. Tem medo também, é tudo nebuloso, um novo mundo se abriu, mas qual a borboleta linda que não passa pelo casulo, não é mesmo?

Esse momento, o do diagnóstico, é seu. Permita-se vivê-lo, mas acredite: ele vai passar e tudo vai ficar bem. Não se desespere, não desista, a cortina não fechou! É uma mudança na sua vida, mudança esta que precisava acontecer, que a vida (se você observou de verdade vai se lembrar) vinha tentando te mostrar o caminho das mudanças que ela guardava para você já havia anos, e você (ah! você, tão teimoso e cabeça dura, sempre) não via de jeito nenhum, ou fingia não ver e continuava sendo a mesma pessoa (sem pôr nem tirar), só mudava as aparências às vezes e fingia que isso bastava para não precisar mexer nas feridas que precisam ser revistas de verdade.

Pois bem, a vida se cansou e disse: “agora este ser vai enxergar e mudar na marra! Porque eu, a vida, sei que será melhor para ele”. Pessoas vão chegar, outras se vão, coisas acontecerão de ruim e também de bom. Serão mudanças, nada mais do que mudanças, e sempre que alguma delas forem bem difíceis (muito mesmo) daquelas que você fala “estou quase entregando o jogo”, será bem depois dessas que as coisas lindas virão. Virão como forma de iluminação, como pensamento, como ideia, como criação e como um arranjo da vida para te fazer florescer e brilhar sempre mais. O diagnóstico te mudou sim, agora você é alguém que escuta a voz de Deus, bem alta e nítida.

Se nasce uma relação neste momento é a relação com a fé, uma relação de entrega e de certezas, se algo realmente mudou foi que de agora em diante você terá o conforto do seu amor pela vida, pela sua fé e por você mesmo.


Luciana Ribeiro

Luciana Ribeiro, paulistana, apaixonada por Santos, 45 anos, casada, mãe da Nadja e da Mayra. Contadora, diretora da empresa Zloti Assessoria empresarial Ltda., diretora da empresa FAZ - Sistema de Gestão e Treinamentos Profissionalizantes Ltda. e Presidente do Instituto Eluar, com muito orgulho. Paciente de Espondilite Anquilosante e com ela adora fotografar.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.